domingo, novembro 16, 2008

O som do coração e Orquestra dos meninos

Assisti recentemente a dois filmes que associam infância e música.
O som do coração (titulo brasileiro do filme August Rush, dirigido por Kirsten Sheridan, EUA, 2007) conta a história de um menino, criado num orfanato, que recorre ao seu prodigioso dom musical para encontrar seus pais, também músicos (ele, um cantor de banda de rock e ela, musicista de orquestra).
Por sua vez, Orquestra dos meninos (Brasil, 2007, direção de Paulo Thiago) inspira-se na vida do maestro Mozart Vieira, cujo dom musical, herança de seu avô (regente de uma banda e responsável pela escolha do nome do menino), evidencia-se também na infância, tal como ocorre com August.
Em ambos, vi manifesto o dom da lira de Orfeu. Enquanto o menino August apreende e harmoniza sons da cidade, o menino Mozart capta e cria a partir dos sons da natureza, no agreste pernambucano.
O filme brasileiro toca-me particularmente. A história acompanha a luta de Mozart, já adulto, para dar corpo a um sonho, capaz de amplificar o dom de menino: ensinar música às crianças pobres do sertão, ajudando-as a encontrar o seu próprio dom.
Comove-me a imensa fé do jovem músico-professor no poder da educação para o ser estético. Comove-me ver aquelas infâncias quase perdidas encontrarem um sentido e mudarem o seu destino de fome e miséria, inscrito nos pés descalços, nas mãos cheias bolhas, no corpo anêmico e franzino.
Comove-me o fato de o companheiro do menino Mozart, que lia tão concentrado As caçadas de Pedrinho (de Monteiro Lobato), não ter conseguido prosseguir a leitura e fazer dela um dom: adulto, sucumbe à depressão, não suportando o peso de viver. Mas comove-me também saber que esta nota desafinada faz parte da pauta humana e que não estava ao alcance de Mozart, por mais amigo e artista que fosse, fazer dela um acorde perfeito.

1 comentário:

bruna disse...

eu vi esse filme hoje adorei é muito bom eu chorei muito vendo esse filme...sabe por que pra ele importava somente a musica,o som e os pais que ele queria encontrar muito, e atravéz da musica,do som ele conseguiu...agente tem tudo e ta sempre querendo mais ele queria uma unica coisa sabe...acho que foi por isso isso que chorei...não que eu queira sempre mais não eu me contento com o que tenho e aprendi isso com a dor das outras pessoas,uma criança só queria um prato de comida e ela morre por causa disso por não ter o que comer acho o fim eu olhar aquilo e quer uma calça de marca das mais caras..uma que meus pai não seriam loucos de me dar e outra que eu não ia querer...acho que cada filme tem uma lição a nos dar:)
amei esse filme;)