segunda-feira, novembro 01, 2010

As crianças, o desenho, o SOL


1977. Uma criança parece ignorar o exercício de avaliação e entretém-se a desenhar um Sol imenso. Os raios derramam-se entre o cabeçalho e o enunciado das questões, e se prolongam até o fim da primeira página.

A professora encanta-se com o desenho espontâneo da criança mas incentiva-a a terminar a tarefa escolar. A mãe também se encanta e guarda este belo trabalho. Por onde andará? Talvez jamais o encontre entre tantos papeis. Mas sempre saberá como encontrá-lo no lugar onde as coisas nunca se perdem.

2010. Uma criança faz sempre um Sol em seus desenhos cheios de detalhes e de cores. Através da webcan, a avó da criança (mãe da criança da primeira história) assiste a uma cena que a faz lembrar da antiga cena: a criança pede ao pai para escolher qual dos desenhos é o mais bonito. "Os dois são bonitos", responde o pai. A criança oferece ao pai um dos desenhos, recebe um afago de volta e vai brincar.

O pai comenta com a avó que a psicóloga atribui um significado especial à presença deste Sol constante. A avó acrescenta: "Sim, Sol é vida." E depois pensa: "Talvez este desenho também se perca entre os papeis do pai. Mas ele sempre saberá como encontrá-lo".

1 comentário:

Bordado Inglês disse...

Lindo. Como habitualmente.